Untitled Document
 

3. Programa de Assistência à Saúde da Família

A Fundação Uniplac, como entidade beneficente de Assistência Social, tem muito a contribuir no sentido de garantir, via um conjunto integrado de ações, o atendimento de contingências sociais diversas no patamar de universalização dos direitos sociais. A intenção da Fundação Uniplac com este programa é desenvolver projetos na área da saúde que amenizem as condições precárias que a comunidade vem enfrentando nesta área. Tais ações fazem parte do seu compromisso e responsabilidade social.

Objetivo geral

Promover ações de controle, diagnóstico, tratamento e prevenção de doenças, no sentido de propiciar às pessoas em situação de risco social melhor qualidade de vida e saúde.


PROJETO 1: Assistência Odontológica.

Coordenador: Ata Mohamed
Carga Horária: 642 horas
Nº de beneficiados: 3.635
Público alvo: Pessoas em situação de vulnerabilidade social.

Resumo:

A UNIPLAC, com este projeto, presta serviços na odontologia, com profissionais capacitados e excelente ambiente físico, completamente equipado. Oferece às pessoas da comunidade, que apresentam alto índice de carência sócio-econômica, o acesso a assistência odontológica sem custos. No quadro abaixo, encontram-se os procedimentos e números realizados no ano de 2008:

 TOTAL DE ATENDIMENTOS ODONTOLÓGICOS:

ATIVIDADES
PROCEDIMENTOS
NÚMERO DE ATENDIMENTOS
Diagnóstico e triagem dos pacientes para as demais disciplinas.
Semiologia
211
Procedimentos de prevenção, profilaxia, tratamentos restaurados simples e complexos utilizando técnicas diretas (amálgama e resinas) e indiretas (metal, porcelana e resinas), procedimentos estéticos (clareamento de dentes desvitalizados ou vitais).
Dentística
224
Tratamentos conservadores da polpa dental, tratamentos endodônticos de dentes anteriores e posteriores, retratamento endodôntico, tratamento das perfurações radiculares, tratamento das reabsorções radiculares, tratamento de dentes traumatizados.
Endodontia
176
Cirurgias diversas variando o seu nível de complexidade à medida que avançam os semestres (extrações de dentes e restos radiculares, extrações múltiplas, extrações de terceiros molares inclusos ou não, biópsias).
Cirurgia
194
Realiza os procedimentos protéticos reabilitadores fixos, desde próteses unitárias às mais diversas necessidades do paciente.
Prótese parcial fixa
Prótese parcial removível
Prótese total
328
Atendimento especializado para crianças de 06 a 10 anos. Odontopediatria (6 a 10 anos)
90
Procedimentos e Fatores sociais de saúde direcionados ao tratamento de pessoas com necessidades especiais. Atendimento do "paciente especial" em consultório. Odontologia preventiva para pacientes especiais. Atendimento clínico.
Pacientes especiais
88
Aplicação dos conhecimentos adquiridos nas disciplinas de Odontologia Social e Preventiva, Ortodontia, Dentística, Endodontia e Periodontia, Cirurgia e Prótese, praticando uma seqüência lógica de tratamento que visa promover a saúde bucal, do ponto de vista clínico. Treinamento ambulatorial para a prática de clínica geral em adultos.
Clinica integrada
1.845
Documentação radiológica do paciente, realizando radiografias periapicais, interproximais e panorâmicas de acordo com a necessidade de cada caso e/ou disciplina.
Radiologia
9
Conceitos, Classificação, e Diagnóstico em Ortodontia. Desenvolvimento da oclusão. Oclusão normal. Classificação das más-oclusões. Fisiologia das más - oclusões. Análise de modelo. Princípios mecânicos da movimentação dentária. Perdas precoces decíduos e mantenedores de espaço. Perdas de espaço nos arcos dentários e recuperadores. Mordidas cruzadas e descruzadas de mordida.
Ortodontia
 
Raspagem e alisamento radicular, tratamento de gengivites e periodontites, cirurgias periodontais, controle da placa dental, instrução sobre higiene dental, motivação em higiene.
Periodontia
259
Crescimento e desenvolvimento somático e mental. Aspectos psicológicos no tratamento odontopediátrico. Prevenção - relação dieta-cárie. Prevenção II - cárie e doença periodontal. Afecções de tecidos moles bucais e periodonto na criança. Manifestações bucais da AIDS na criança.
Odontopediatria (0 a 6 anos)
215
 
TOTAL
3.639


PROJETO 2: Atendimento Odontológico à população do Município de Otacílio Costa

Coordenador: Ata Mohamed
Carga Horária: 64 horas
Nº de beneficiados: 37
Público alvo: Munícipes em situação de vulnerabilidade social de Otacílio Costa.

Resumo:

Trata-se do Termo de Cooperação n.º 0830/2007 com o Município de Otacílio Costa assinou com a Uniplac, para atender gratuitamente a população em situação de vulnerabilidade social daquele município. A triagem é realizada pela Secretaria de Assistência Social de Otacílio Costa que encaminha à Uniplac para os procedimentos necessários. O atendimento é através do Curso de Odontologia numa dimensão social – Odontologia preventiva e Social/Odontologia em Saúde Coletiva, reafirmando o compromisso social da Uniplac e Prefeitura.


PROJETO 3: Estágio em Clinica Odontológica/ Clinica de Férias:

Coordenador: Ata Mohamed
Carga Horária: 40 horas
Nº de beneficiados: 100
Público alvo: Pessoas em situação de vulnerabilidade social

Resumo:

Este projeto tem por objetivo capacitar os acadêmicos de odontologia para melhorar técnico-científico e a experiência no atendimento da clínica integrada, uma vez que o processo de formação do cirurgião dentista é guiado por uma concepção pedagógico-metodológica de ensino que propicie a aproximação do acadêmico da prática odontológica integral, atendendo a população menos favorecida sócio-economicamente com qualidade, buscando a prevenção e a cura de doenças bucais prevalentes. Diante da parceria estabelecida, o Município de Otacílio Costa pagará a Uniplac o equivalente a 33% do valor do procedimento (conforme tabela da Odontosul), em espécie ou em forma de doação, possibilitando a reposição.

O projeto funciona nos período de fevereiro e julho, com a mesma estrutura do atendimento odontológico e metodologia. E se justifica diante da necessidade de possibilitar o atendimento nas férias do projeto de atendimento odontológico, ocorrendo então, dos pacientes continuarem os procedimentos adequados a sua situação, que não foram finalizados durante o semestre.


PROJETO 4: Atendimento da Terapia Ocupacional:

Coordenador: Leatrice Carbonera dos Santos
Carga Horária: 64 horas
Nº de beneficiados: 6 pessoas com 33 atendimentos.
Público alvo: Crianças e adolescentes, portadores de necessidades especiais em situação de vulnerabilidade social.

Resumo:

Terapia Ocupacional é a arte e a ciência de dirigir a resposta do homem a atividade selecionada para favorecer e manter a Saúde, para prevenir a incapacidade, valorizar a conduta e tratar, habilitar ou reabilitar os pacientes com disfunções físicas, mentais, emocionais ou psicossociais".

A Terapia Ocupacional tem como objetivo: Ajudar a manter ao máximo o bem-estar; prevenir a piora em uma desordem crônica; Ajudar no diagnóstico; promover e restabelecer as funções biopsicossociais; acelerar a convalescença; restabelecer a capacidade laborativa; promover a adaptação e integração social; examinar a estabilidade da recuperação.

Procedimentos:

A atuação do Terapeuta Ocupacional abrange todas as fases da vida de um indivíduo e sua intervenção tem como propósito a promoção do bem-estar, redução ou correção de disfunções, estimulação e reforço das capacidades funcionais remanescentes, facilitando o processo de aquisição das habilidades e funções essenciais, que tornam o indivíduo mais adaptado e inserido no seu meio social. Este profissional é o responsável pela indicação, prescrição e/ou confecção de adaptações funcionais que possam facilitar ou até mesmo possibilitar o desempenho das atividades da vida diária (alimentação, higiene, vestuário, locomoção, comunicação), vida prática, de lazer ou laborativa.


PROJETO 5: Atendimento da Psicologia: Serviço – Escola

Coordenador: Lilia Aparecida Kanan
Carga Horária: 540 horas
Nº de beneficiados: 67 pessoas e 183 atendimentos
Público alvo: Pessoas em situação de vulnerabilidade social.

Resumo:

Através do Curso de Psicologia a Uniplac disponibiliza à comunidade serrana, o atendimento serviço – escola de psicologia, que de acordo com o Projeto Pedagógico do Curso o Serviço – Escola “Ele é um dos órgãos (um setor) de apoio para o desenvolvimento do ensino de Psicologia, especialmente o que será realizado nos estágios profissionalizantes da sétima à décima fase do Curso de Psicologia” (2007: 94)

Este projeto tem por objetivo geral: Construir um espaço para realização de atividades pedagógicas e inserção do aluno estagiário nas práticas profissionais supervisionadas. Específicos: Promover a interação entre a comunidade e a universidade, por meio de prestação dê serviços de atendimento psicológicos; Favorecer o desenvolvimento de habilidades e competências para o futuro psicológico em situação real; favorecer e oportunizar a realização de projetos de pesquisas e extensão à comunidade acadêmica.

Procedimentos:

O serviço – escola de psicologia, faz parte da estrutura curricular do curso, e também, constitui um dos locais do estágio supervisionado em psicologia da saúde, no qual todos os alunos cumprirão ao menos 6h. semanais. Os horários serão agendados por uma secretaria, que previamente, organiza os horários dos acadêmicos, de acordo com os horários disponíveis para a comunidade. Todos os atendimentos individuais ou grupais, são supervisionados por professores-orientadores. E cada aluno poderá atender até 4 (quatro) pacientes e realizar duas triagens semanalmente, além de obter 2 horas aulas para orientação, de acordo com o plano de ensino da disciplina de estágio supervisionado da saúde em cada semestre letivo. Os serviços de triagem psicodiagnóstico, atendimentos individuais de casal, familiares e grupais, acontecem nas dependências da Uniplac, em salas adequadas, com os materiais necessários e são realizados pelos estagiários. O atendimento, o prontuário, e o fluxo de atendimento da clientela seguem as normas do Centro de Saúde da Uniplac.

Resultados Esperados: 

Espera-se que o serviço – escola de psicologia da Uniplac se mantenha em um espaço para prática de atividades pedagógicas, de pesquisa e extensão. Além de disponibilizar um melhor aproveitamento da prática do curso por parte do aluno, e proporcionar a demanda atendida pelo serviço-escola, uma redução dos problemas sociais, familiares, conjugais, entre tantos outros e contribuir para uma melhor condição de vida das pessoas atendidas.


PROJETO 6: Atendimento da Medicina

Coordenador: Maria Cristina Subtil
Carga Horária: 3.160 horas
Nº de beneficiados: 495 pessoas com 546 atendimentos.
Público alvo: pessoas em situação de vulnerabilidade social.

Resumo:

As atividades educacionais nos cenários da Unidade de Prática de Saúde na Comunidade do 1º ao 6º ano do Curso estão organizadas em pequenos grupos, de cinco a seis estudantes e um docente/mediador, tendo na educação problematizadora o fundamento da relação docente e estudante, que possibilita a ambos aprenderem juntos, por meio de um processo autônomo. O processo ativo de ensino-aprendizagem utiliza diferentes estratégias em momentos distintos e em diferentes ambientes com a colaboração da equipe de Saúde da Família.

A Unidade de Prática de Saúde na Comunidade incorpora a partir do quarto ano, os ambulatórios de especialidades. Numa parceria entre Universidade e a Secretaria Municipal de Saúde/SUS foram criados e/ou implementados os Ambulatórios de especialidades: Clínica Cirúrgica, Saúde do Adulto, Pequenas Cirurgias, Saúde da Mulher, Saúde Mental e Saúde da Criança possibilitando ao estudante o desenvolvimento do raciocínio clínico-epidemiológico, o entendimento do processo saúde-doença com o estabelecimento de um plano de cuidado em atenção básica (incluindo o medicamentoso, o nutricional, o planejamento diagnóstico, entre outros).

A inserção dos estudantes em situações reais nos ambulatórios, estimula e assegura a formação de vínculo e a responsabilização com as pessoas, familias e comunidade em atendimentos, juntamente com a equipe multiprofissional e com os serviços.

Também os professores/médicos inseridos no serviço realizam as ações do cotidiano numa relação de mediação do processo ensino-aprendizagem que deve possibilitar coerência, legitimidade e relevância da aprendizagem, fundamentada na reflexão, problematização e teorização à partir da prática profissional de todos os envolvidos, em especial o estudante com permanente acompanhamento e progressão em autonomia conforme tarefa proposta e desempenho apresentado em contextos específicos.


PROJETO 7: Sorriso saudável: direito de todos

Coordenador: Claudia de Abreu Busato
Carga Horária: 360 horas
Nº de beneficiados: 600 crianças e adolescentes
Público alvo: Crianças, adolescentes e portadores de necessidades especiais de instituições de assistência social.

Resumo:

Este projeto tem como objetivo a promoção de saúde bucal de crianças em condição de risco social que freqüentam a Irmandade Nossa Senhora das Graças e a Escola de Educação Infantil Municipal Sepé Tiarajú, e APAE na cidade de Lages-SC e APAE da cidade de Bocaina do Sul.

A faixa etária dos participantes está entre 0 e 6 anos na Escola municipal e entre 3 e 18 anos na Irmandade e entre 0 e 69 nas APAEs. Tendo atualmente 600 alunos nestas Instituições. Como recursos humanos este projeto conta com um professor que coordenador e um orientador das atividades; quatro alunos bolsistas que se dividem entre as Instituições. Os alunos bolsistas desenvolvem atividades de educação e prevenção em saúde bucal como: apresentação de palestras (com as crianças e educadores das instituições), escovação supervisionada, revelação de placa bacteriana, limpeza da cavidade bucal dos bebês e orientações para as cuidadoras.

Tendo especial cuidado com a forma de transmissão das informações, devido as diferentes faixas etárias. Teatro de fantoches, músicas, vídeos, realização de exercícios, brincadeiras e momentos de discussões com os adolescentes e professores São desenvolvidos. Temas variados, como doença cárie, hábitos alimentares, trauma dental, doença periodontal, bem como prevenir e tratar estas enfermidades são abordados durante a realização do projeto. Nas APAEs as atividades de prevenção das doenças bucais são mais individualizadas, devido sugestão da própria coordenação das Instituições e pelas características dos alunos.

A criação de vínculo entre os alunos e a comunidade, é um fator muito importante para a apreensão do conhecimento que se pretende repassar. Esta relação de confiança e parceria entre a Universidade (UNIPLAC) e a comunidade é fundamental para que se consiga a realização de trabalhos que tenham continuidade, como é o caso deste projeto que está em sua 5ª edição. Um dos resultados positivos foi à exposição do projeto para toda comunidade durante a Festa da Irmandade Nossa Senhora das Graças a avaliação das InstituiçA?ões em relação ao projeto foi realizada através de uma entrevista com os coordenadores das Instituições, os dados apontaram para a satisfação com os projetos da UNIPLAC, uma melhora na saúde bucal de seus alunos e principalmente ressaltaram o compromisso social da Universidade que está evidente nas atividades realizadas pelo projeto. Foi colocado que nossas atividades estão além da promoção de saúde bucal, estamos trabalhando a cidadania com estes alunos.

O projeto Sorriso saudável: direito de todos está humanizando cada vez mais a Odontologia da UNIPLAC e melhorando a saúde bucal de muitas crianças, adolescentes e de suas famílias e com isso oportunizado uma vida mais digna para todos.


PROJETO 8: Odontologia Cidadã – Uma Estratégia de Promoção de Saúde Bucal em Escolares

Coordenador: Ramona Fernanda Ceriotti Toassi
Carga Horária: 588 horas-aula
Nº de beneficiados: 700 escolares
Público alvo: Escolares do Ensino Fundamental (1º ao 9º ANO) de Escolas Municipais de Lages: Escola Básica Municipal Lupércio de Oliveira Köeche (Bairro Várzea) e Escola Básica Professor Antônio Joaquim Henriques (Bairro Centenário).

Justificativa:

A promoção da saúde vem se estabelecendo como um componente importante das políticas públicas e tem sido alvo de inúmeros treinamentos profissionais e atividades acadêmicas. A promoção da saúde representa, hoje, uma perspectiva realista para a melhoria da saúde de toda a população, cuja base teórica é centrada na concepção ampla do processo saúde-doença e seus determinantes, em articulação com o planejamento estratégico (MOYSÉS; RODRIGUES, 2004). Para Bastos, Peres e Ramires (2003), a promoção de saúde tem como meta modificar as normas da sociedade e o ambiente de forma que esses se tornem mais favoráveis à obtenção da saúde.

Nesse contexto, a escola, como um espaço social para a promoção de saúde, pode conduzir ao desenvolvimento de um estilo de vida saudável, contribuindo para a criação e manutenção da saúde de seus funcionários, alunos e comunidades locais.

Considerando-se a saúde bucal como parte integrante e indissociável da saúde geral, a promoção de saúde em escolas parece ser uma estratégia importante a ser desenvolvida em programas coletivos de promoção de saúde bucal em escolares, possibilitando um impacto positivo sobre iniqüidades em saúde. Desse modo, a re-edição do projeto de extensão “Odontologia Cidadã”, que acontece desde o segundo semestre de 2001, prevê a manutenção dos objetivos descritos na edição anterior, porém dando um enfoque para a escola como um espaço social para a promoção de saúde.

Objetivo:

Promover saúde bucal nos escolares da Escola Básica Municipal Lupércio de Oliveira Köeche e Escola Básica Municipal Professor Antônio Joaquim Henriques, em Lages, por meio de ações educativo-preventivas coletivas.

Metodologia:

O projeto de extensão “Odontologia Cidadã” acontece na EBM Lupércio de Oliveira Köeche, localizada no bairro da Várzea e EBM Professor Antônio Joaquim Henriques, no bairro Centenário. No período de março a julho de 2008, por motivo de reforma na estrutura física da escola do bairro Centenário, o que inviabilizou as atividades previstas, uma nova escola municipal de Lages foi incluída no projeto, a Escola Mutirão, situada no bairro Habitação.

Tais instituições foram selecionadas por suas características sócio-econômicas, geográficas e pela não existência de ações de prevenção com seus escolares, quando do início das atividades. Semanalmente são realizadas ações de educação em saúde (palestras, teatros, brincadeiras, jogos, distribuição de material educativo) e de prevenção (escovação supervisionada, aplicações tópicas de flúor em bochecho).

Além disso, duas vezes ao ano são previstas atividades de revelação de placa bacteriana com registro do índice de placa bacteriana (IHO-S) e, quando houver necessidade, um levantamento epidemiológico de cárie dentária (exame clínico para o registro do CPO-D e ceo-d). O projeto conta com 4 bolsistas e mais 2 voluntários.

Resultados:

Até o início de julho, contando as três escolas citadas, 700 escolares participaram de ações coletivas educativo-preventivas de saúde bucal, sendo 700 escovas de dente distribuídas, totalizando 7.323 ações educativo-preventivas de saúde bucal.

Considerações Finais:

Com as ações de promoção de saúde desenvolvidas pelo projeto Odontologia Cidadã espera-se proporcionar uma melhoria nas condições de saúde bucal dessa população escolar, atuando no comportamento e nas práticas em saúde bucal e melhorando, assim, sua qualidade de vida.


PROJETO 9: Terapeutas da Alegria – O Lúdico na Promoção de um Viver Humano Saudável

Coordenador: Neila Santini de Souza
Carga Horária: 20 H/ semanais
Nº de beneficiados: 495 pessoas com 546 atendimentos.
Público alvo: Crianças, Adolescentes e Adultos, que possuem baixo poder sócio-econômico e usuário do Sistema único de Saúde – SUS

Resumo:

Este projeto é financiado pelo Fundo de Assistência Social da UNIPLAC, surgiu em 2005, pela iniciativa de acadêmicos de enfermagem ligados ao Centro Acadêmico de Enfermagem Ana Neri desta universidade. O referido projeto cresceu e fez parceria com outro projeto da UNISUL, sendo atualmente conhecido como “Terapeutas da Alegria”. Nestes três anos de execução, apresentou uma boa aceitação e receptividade da comunidade; gerou boa repercussão e tem levado muitos benefícios a comunidade alvo da proposta. Atualmente encontra-se em processo para tornar-se um instituto e com vistas futuras de ser auto-sustentável. As ações desenvolvidas justificam-se por: auxiliar na formação de profissionais da saúde socialmente responsáveis, criativos, sensíveis, conscientes da importância do trabalho interdisciplinar e dos princípios da humanização e educação em saúde; capacitar acadêmicos, para atuação em hospitais, comunidades, escolas e outras entidades, utilizando o personagem “doutor palhaço”; explorar o potencial criativo do acadêmico propiciando desenvolvimento pessoal e profissional; propiciar um ambiente favorável ao desenvolvimento de capacidades inter e intrapessoais; incentivar e promover pesquisa na área de humanização e educação em saúde; incentivar a reflexão sobre a realidade do sistema de saúde e possíveis ações que auxiliem na melhoria deste, assim como, promove a integração de acadêmicos dos cursos da UNIPLAC.

Como objetivo se propõe proporcionar as crianças, adolescentes e adultos institucionalizados, ou no ambiente escolar, atividades interacionais, através de ações lúdicas que possibilitem utilizar recursos do imaginário auxiliando na recuperação da saúde, amenizando traumas da hospitalização, promovendo a educação em saúde e garantindo o exercício da cidadania e melhora da qualidade de vida.

A metodologia de trabalho desta proposta inclui atividades manuais artísticas desenvolvidas com os familiares, atividades lúdicas por meio de visitas nas instituições escolares, unidades básicas de saúde em campanhas de vacin ?a, hospitalares e instituições de longa permanência de idosos - ILPI.

Utilizamos como recursos os brinquedos, adereços infantis, fantasias, a música, a poesia, o desenho, a dança, balões para facilitar a interação dos bolsistas e voluntários com o público-alvo. Os beneficiados recebem visitas semanais ou quinzenais, de acordo com cronograma previamente agendado com representante legal de cada instituição. Utilizamos também como recurso de integração dos bolsistas e voluntários do projeto, uma sala de discussão virtual permanente, que faz parte do sistema de informática da universidade denominado de learnloop.

São planejadas ações diversificadas, incluindo a participação de membros da área artística, utilizando os recursos da pintura e artes, o que nos auxilia no desenvolvimento de um trabalho adequado às necessidades do público-alvo. Consideramos que o engajamento de um número significativo de acadêmicos da universidade junto a esta proposta, auxilia no fortalecimento e na efetivação de ações que caracterizam uma universidade comunitária.

O fato de podermos contribuir para a recuperação e amenização do sofrimento dos seres humanos institucionalizados por meio de atividades lúdicas, e com atividades de educação em saúde, favorecem estes contextos de cuidado, pois o projeto além de atender as necessidades da comunidade, beneficia individualmente cada bolsista e voluntário que dele faz parte, promovendo um viver humano saudável.


PROJETO 10: Comunidade Ativa

Coordenador: Cristina Branco Simão e Lilian Pogere
Carga Horária: 640 Horas
Nº de beneficiados: 10
Público alvo: Usuários do Programa de Saúde da Família (PSF) de Lages

Resumo:

Este projeto configura-se num projeto integrado de cunho interdisciplinar e interinstitucional, que se executa na área da Educação Física, Medicina e Enfermagem a fim de sanar a carência em nossa cidade de meios agentes que possam promover a saúde de forma preventiva e de reabilitação. Ele pretende proporcionar a comunidade o acesso a pratica de atividade física de acordo com as necessidade que satisfaçam e contemplem uma melhor aptidão física, revertendo os efeitos do estilo de vida sedentário. Este programa almeja atendera aos usuários das Unidades de Saúde do PSF do município de Lages, que desejem aderir ao programa de atividades físicas.

Configurando-se num projeto de abrangência municipal com a pretensão de atingir os mais diversos pontos e de reunir um efetivo número de profissionais das áreas da saúde, as linhas de ação são orientadas para as seguintes principais metas: a) diagnosticar, o nível de atividades física de indivíduos cadastrados nas Unidades de Saúde do PSF da cidade de Lages; b) realizar intervenções na área da promoção da saúde através da educação para uma vida fisicamente ativa nesta população; c) proporcionar hábitos de lazer fisicamente ativos através do acesso às práticas de atividades físicas orientadas; d) através de metodologia de ensino, capacitar os acadêmicos do curso de Educação Física, Medicina e Enfermagem, com o intuito da preparação de agentes multiplicadores capazes de promover ações nestas comunidades. A metodologia para implantação do Projeto incorpora alguns procedimentos específicos e seqüenciais, a saber:

a) Diagnosticar, o nível de atividade física e saúde da população usuária das Unidades de Saúde do município de Lages;

b) Implementação de uma sistemática para exames periódicos, permitindo que se identifique grupos de risco (obesos), sedentários, (hipertensos) destas Unidades;

c) Promover a avaliação física/antropométrica, do estilo de vida e risco cardiovascular;

d) Encaminhar para as atividades de aptidão física relacionada à saúde ( aptidão cardiorrespiratória, força/ resistência muscular, flexibilidade e composição corporal); d) Realizar avaliações periódicas e orientações para um estilo de vida saudável;

e) Desenvolvimento de programas de informações e orientação específica par mudanças nos hábitos alimentares, controle do stress, prevenção da hipertensão e demais condições de saúde detectadas nos exames periódicos;

f) Incentivo à prática de atividade física cotidianas e no lazer que possam prevenir doenças/ promover a saúde. Periodicamente são realizadas avaliações de controle com o objetivo de identificar as mudanças ocorridas por conta das metas traçadas pelo programa.


PROJETO 11: Comunidade Ativa

Coordenador: Oliveira Machado Fernandes Junior
Carga Horária: 20H Semanais
Nº de beneficiados: 120
Público alvo: Crianças e adolescentes pertencentes a famílias de baixa renda da cidade de Lages, que freqüentam as escolas municipais: Suzana Albino França, Profª. Fauta Rath, Profº. Pedro Cândido e Antônio Joaquim Henriques.

Resumo:

O Projeto Integração AABB Comunidade consiste em uma proposta de complementação educacional, baseada na valorização da cultura do educando e de sua comunidade. Defende o direito da criança à brincadeira. Brincar pelo brincar, porém com intenção pedagógica. As crianças e adolescentes recebem esta complementação de uma maneira lúdica, atrativa, desenvolvida em torno de áreas socioeducativas, culturais, desportivas e de saúde, possibilitando a construção de conhecimentos, ampliando sua visão de mundo, tomando consciência de seus direitos e deveres e de sua própria cidadania.

São enfatizados técnicas que propiciem o fazer coletivo e a capacidade de organização grupal, o que permite a reflexão crítica e o posicionamento do educando como sujeito ativo de sua própria formação. Tem como objetivo contribuir para inclusão, não repetência e permanência, na escola, de crianças e adolescentes pertencentes a famílias de baixa renda. É baseado nas idéias, na pedagogia e na concepção freireana ( Paulo Freire), também fundamentado no Estatuto da Criança e do Adolescente ( ECA), propõe ações de atendimento parcial aos participantes. Constituído como referência para os setores público e privado, na adoção de projetos complementares. Partindo da realidade e das necessidades dos educando surgem idéias as quais são trabalhadas, tornando os educadores mediadores da construção do conhecimento.

Os educadores são acadêmicos, os quais têm a possibilidade da exteriorização do conhecimento obtido em sala de aula, os mesmos recebem capacitação da universidade em que estudam e também são orientados pelo Núcleo de Trabalhos Comunitários da PUC/SP ( NTC-PUC/SP). Destina-se a crianças e adolescentes de ambos os sexos, faixa estária entre 7 e 16 anos, hoje atende cerca de 120 crianças e adolescentes. O Programa vem sendo realizado na cidade de Lages há 8 anos, numa parceria FENABB, Banco do Brasil, Prefeitura do Município de Lages, Escola Básica Municipal Profº Pedro Cândido, Escola Municipal de Educação Básica Profª. Fausta Rath, Escola Municipa de Educação Básica Isidoro Marin e Universidade do Planalto Catarinense – UNIPLAC. Essas parcerias tendem a ser perenes, uma vez que os objetivos do Programa apenas são alcançados a médio e longo prazo. Palavras-chaves: cidadania, educação, pedagogia freireana.


PROJETO 12: Organização dos Serviços de Saúde do Município: Um Desafio da Educação Permanente

Coordenador: Fernando Luiz Pagliosa
Carga Horária: 192H

Resumo:

Este projeto se propôs a organizar os serviços de saúde do município de São Cristóvão do Sul, um pequeno município da região Meio-Oeste do Estado de Santa Catarina, utilizando como estratégia a Educação Permanente em Saúde (EPS). Partiu-se do entendimento que a organização dos serviços de saúde implica em adotar uma perspectiva qualitativa de renovação e transformação das práticas profissionais e de gestão e que a formação e o desenvolvimento das pessoas devem considerar os aspectos individuais, os valores e as idéias de cada um. Neste sentido, a Educação Permanente em Saúde (EPS) constituiu-se um instrumento de desenvolvimento da cidadania capaz de favorecer a construção de um ambiente efetivo de mudança.

O objetivo geral do projeto foi assegurar aos profissionais da Saúde de São Cristóvão do Sul o discernimento para um trabalho pautado nas políticas do SUS e na Estratégia de Saúde da Família, promovendo o seu desenvolvimento profissional e pessoal, e garantindo uma ampla reflexão sobre o diagnóstico da situação da saúde, acompanhamento e avaliação das ações de saúde do município, melhorando a qualidade dos serviços prestados.

A perspectiva teórico-metodológica que orienta esta extensão baseiou-se na orientação do Ministério da Saúde e sobre a sua proposição sobre a estratégia da Educação Permanente em Saúde que visa consolidar e fortalecer o SUS. A Educação Permanente (EP) está baseada na aprendizagem significativa, os questionamentos e as possíveis soluções surgem das reflexões sobre o processo de trabalho, ou seja, a EP está inserida no cotidiano das pessoas e organizações e se baseia na articulação entre teoria e prática. O objetivo último da EP é possibilitar desenvolvimento de competência para atender às necessidades de saúde de cada pessoa e das coletividades. Amplia-se, deste modo, o conceito de saúde como qualidade de vida, que depende não apenas de questões biológicas, mas engloba as condições sociais, histórico-culturais, econômicas e ambientais em que vivemos. O grupo envolvido neste trabalho considera que as atividades desenvolvidas ao longo de dois anos fundamenta um ponto de partida para uma discussão mais ampla com todos os segmentos representativos da sociedade que, direta ou indiretamente, influem na gestão pública. A organização de um serviço de saúde inclui ações contínuas e orientadas pelos princípios do SUS, e também uma ação intersetorial, envolvendo governo, entidades de ensino, pesquisa e assistência, conselhos municipais, lideranças locais, profissionais da saúde, movimentos populares e outros grupos sociais, de modo a alcançar um desenvolvimento sustentável e solidário em âmbito municipal. A experiência desenvolvida mostrou que o município de São Cristóvão do Sul tem condições de seguir desenvolvendo seu processo de organização dos serviços de saúde buscando estratégias para a solução de seus problemas sendo de fundamental importância o envolvimento da população no debate sobre a saúde.

A estratégia da Educação Permanente em Saúde possibilitou a conscientização e a criação de oportunidades participação, colaboração e integração dos esforços individuais e coletivos para a organização dos serviços. Neste cenário, a educação e o desenvolvimento profissional não são adereços e sim bases de sustentação.

O presente relatório registra uma experiência importante do grupo de Educação Permanente/UNIPLAC e abre possibilidades para a reflexão e elaboração de outros projetos que possam objetivar um "município saudável" colocando em prática uma política de saúde efetiva.


PROJETO 13: Atenção à Sexualidade na Infância e Adolescência na Rede Pública Municipal de Ensino de Lages/SC.

Coordenador: Marivete Gesser e Silvio Dagoberto Orssato
Carga Horária: 640 horas
Nº de beneficiados: 484
Público alvo: Crianças e adolescentes que habitam os bairros Várzea e Habitação. A comunidade em que a escola está inserida apresenta problemas sociais como falta de lazer, habitações precárias, insuficiência de transporte, saneamento básico e ainda há ruas sem pavimentação.

Resumo:

Pesquisas realizadas junto a jovens de camadas populares vem apontando um alto índice de gravidez na adolescência e infecção por DSTs e HIV/AIDS. Muitos autores apontam a falta de perspectiva de vida, decorrente das condições sociais desfavoráveis à profissionalização, como um dos fatores geradores da maternidade/paternidade precoces. A falta de informações corretas também contribui para esse fenômeno. Segundo pesquisa realizada pelas Nações Unidas em escolas em que se conversa abertamente sobre sexualidade os jovens tendem a adiar a primeira experiência sexual, o que possibilita que ela ocorra de forma mais responsável e segura, evitando, desta forma, o contágio por DSTs, HIV/AIDS e gravidez na adolescência (PAIVA, 2000, p. 92).

Esses dados apontam a necessidade de se implementar programas de Educação Sexual junto às escolas da rede pública e privada de ensino. O projeto de extensão universitária “Programa de Atenção à Sexualidade na Infância e Adolescência na Rede Pública Municipal de Ensino de Lages/SC” já vem ocorrendo pelo terceiro ano consecutivo em diferentes escolas do município de Lages. Trata-se de um projeto interdisciplinar envolvendo os cursos de Psicologia, Enfermagem e Direito que vem sendo financiado pelo Fundo de Assistência Social da UNIPLAC e que tem como objetivo implementar programas de educação sexual voltados ao desenvolvimento da responsabilidade no exercício da sexualidade em crianças e adolescentes visando a diminuição da incidência da gravidez na adolescência, contágio por DSTs e HIV/AIDS e violência de gênero. As atividades do projeto vêm sendo realizadas, neste ano de 2008, na Escola Municipal de Educação Básica Lupércio de Oliveira Köech com alunos do 1º ao 9º ano do ensino fundamental. Estas são diferenciadas de acordo com as faixas etárias dos mesmos.

Em relação a operacionalização, primeiramente se identificou e caracterizou o contexto social das crianças e adolescentes inseridos na escola abrangida pelo projeto de intervenção psicossocial; em seguida, a partir das necessidades levantadas, se implementou, com o auxílio da comunidade escolar, um Programa de Educação Sexual, voltado a construção de novos valores e práticas relacionados ao exercício da sexualidade, planejamento familiar, violência de gênero, patriarcado bem como a viabilização da criação de projetos de vida mais potencializadores das crianças e adolescentes, que englobem outras escolhas que vão além do desejo do exercício da paternidade/maternidade. Para a avaliação do projeto, aplicou-se um questionário que abrange os objetivos do projeto antes do início das atividades. Esse será novamente aplicado após o término do trabalho com os alunos da escola. Espera-se, a partir das ações que vem sendo implementadas nas diferentes escolas ao longo dos três últimos anos, que a Secretaria de Educação da Cidade de Lages insira a temática sexualidade como tema transversal, conforme preconizam os PCNs.


PROJETO 14: Educação em Saúde: Um Desafio Social Comunitário para a Detecção Precoce do Câncer na Infância e Adolescência.

Coordenador: Maria Cristina Meyer Martins
Carga Horária: 20H/ semanais – 640H/ ano
Nº de beneficiados: 750.000 habitantes
Público alvo: Crianças, Adolescentes e suas Famílias e Profissionais de Saúde do Município de Lages e da Região Centro-oeste.

Resumo:

Este projeto surgiu diante de nossa preocupação e compromisso social diante das estimativas epidemiológicas do crescente número de casos de doenças oncológicas infanto-juvenis no Brasil, conforme os dados de2008 do Instituto Nacional de Combate ao Câncer (INCA). Além disso, existe em nossa região o desconhecimento por parte de muitos profissionais de saúde do serviço de Hemato-Oncologia Pediátrica em Lages/SC, realizado no Hospital Infantil Seara do Bem (HISB), onde o número de atendimento é menor do que a estatística mostra, sendo apontadas duas hipóteses para o mesmo: a não detecção do câncer ou o encaminhamento dos casos para outros serviços de referência para o tratamento é o que revela um levantamento de dados realizado junto a Casa de Apoio do Hospital Infantil Joana de Gusmão (HIJG), em Florianópolis, qu abriga mensalmente um total de 300 pessoas, entre crianças e adolescentes que estão em tratamento ambulatorial, bem como seus familiares. Deste modo, temos como objetivo através deste projeto denominado “Educação em Saúde” - um desfio social/comunitário para detecção precoce do câncer na infância e adolescência”, implantar ações de educação em saúde nesta área, voltadas para o cuidado ambulatorial, prevenção e detecção precoce do câncer infantil na região centro-oeste. Isto pode ser alcançado através do levantamento do perfil e número de crianças/adolescentes que necessitam de acompanhamento ambulatorial de oncologia em nossa região; planejamento das ações de educação em saúde, visando à prevenção e detecção precoce do câncer em crianças e adolescentes. Dessa forma, implementamos um programa de educação em saúde, a ser desenvolvido pelos integrantes do projeto junto ás famílias e profissionais desta área, além de campanhas comunitárias e divulgações na mídia.

As atividades educativas junto ás famílias são baseadas na utilização da problematização, dinâmica de criatividade e sensibilidade tendo como referencial Cabral (2007).

A avaliação se dará ao longo do processo, sendo a participação e a mobilização so ?cial um dos critérios, além da divulgação das ações e dos resultados alcançados. P ara isto, contamos como fonte de financiamento para este trabalho o Fundo de assistência social da UNIPLAC, e com o apoio da mídia local, por parte da RBS TV centro-oeste para as campanhas educativas junto à comunidade.

Sabe-se que, para a região centro-oeste catarinense são esperados cerca de 93 novos casos a cada ano, conforme estimativas do INCA(2008). O câncer infanto-juvenil representa a terceira causa de morte entre 1 e 14 anos de idade em nosso país, justificado pela falta de conhecimento, tratamento e diagnóstico precoce. Pensando em estatísticas desse gênero é que este tipo de projeto se mostre relevante para nossa comunidade, já que não existe um trabalho educativo de esclarecimento local sobre os serviços aqui existentes, os quais são referência para o tratamento ambulatorial do câncer infantil na região.


PROJETO 15: Parceiros Sanitários: Saneamento Básico e Educação como Pilares Essenciais ao Campo da Saúde.

Coordenador: Marina Patrício de Arruda
Carga Horária: 320
Nº de beneficiados: 20 lideres, 280 pessoas da comunidade.
Público alvo: Comunidade do bairro Novo Milênio.

INTRODUÇÃO:

O projeto, ora proposto, se justifica, por buscar integrar Educação em saúde e Saneamento básico como pilares essenciais ao campo da Saúde. Neste sentido, os Cursos de mestrado em Saúde Coletiva e de Graduação em Medicina da UNIPLAC, buscam concretizar um dos compromissos institucionais desta universidade comunitária, intervindo no seu entorno através de suporte técnico-científico traçando estratégias de mudança em relação ao saneamento básico e à saúde da população carente. Por outro lado, este projeto também colabora com a administração pública trazendo à tona problemas e questões, gerais e específicas, sobre as práticas de higiene de um bairro da periferia da cidade, garantindo ä Universidade uma participação ativa na promoção da saúde local e regional.

Objetivos Gerais:

“Buscar, através da estratégia de Educação Permanente, educar e apoiar o ator social “parceiros sanitários”, para a comunidade local do bairro Novo Milênio na cidade de Lages/ SC.

A perspectiva teórico-metodológica que orienta esta extensão baseia-se na orientação do Ministério da Saúde e sobre a sua proposição sobre a estratégia da Educação Permanente em Saúde que visa consolidar e fortalecer o SUS. A Educação Permanente (EP) está baseada na aprendizagem significativa, os questionamentos e as possíveis soluções surgem das reflexões sobre o processo de trabalho, ou seja, a EP está inserida no cotidiano das pessoas e organizações e se baseia na articulação entre teoria e prática. O objetivo último da EP é possibilitar desenvolvimento de competência para atender às necessidades de saúde de cada pessoa e das coletividades. Amplia-se, deste modo, o conceito de saúde como qualidade de vida, que depende não apenas de questões biológicas, mas engloba as condições sociais, histórico-culturais, econômicas e ambientais em que vivemos. Considerando que este projeto de extensão comunitária se desenvolve através de reuniões fundamentadas na estratégia de Educação Permanente(EP) que serão realizadas com os moradores participantes da Associação de moradores do Bairro Novo Milênio, na cidade de Lages /SC, pretende-se o desenvolvimento de uma proposta orgânica, que faça sentido para os moradores pois das reuniões emergirão problemas próprios ao contexto do bairro. Neste sentido, é um projeto com potencial para ser replicado em outros contextos. 

Impactos Observados ao Longo do Semestre:

Mudança observada na limpeza do bairro Novo Milênio, Lages SC, através das ações de conscientização, distribuição e colocação das placas : “Sou parceiro, reciclo lixo!” Distribuição de sacos plásticos para a coleta de lixo fornecidos pela secretaria do meio ambiente.
A importância da separação, coleta e armazenagem do lixo pelos moradores na associação. Os recursos com a venda do lixo serão empregados em melhorias do espaço físico, construção de um banheiro e luz elétrica da própria associação de moradores, conforme decisão da comunidade..
Atualização dos mapas pela equipe do Programa da Saúde da Família (PSF), levantamento das fossas de cada residência e estudos sobre sua respectiva limpeza pela SEMASA, palestras realizadas pelos estudantes do Curso de Medicina frente as demandas do bairro (creche, mães, escola). Práticas pedagógicas sistemáticas. Decisões conjuntas; comunidade e organização pública, sobre necessidades prioritárias do bairro.
A observação por parte do grupo de Educação Permanente de que emerge, constantemente, a consciência coletiva da força da organização comunitária na efetivação das políticas públicas.


PROJETO 16: Saúde Bucal em pré-escolares das creches municipais de Correia Pinto, SC.

Coordenador: Mirian Kuhnen
Carga Horária: 208H/A
Nº de beneficiados: 310
Público alvo: Crianças com idade zero a cinco anos que estão matriculadas e freqüentam as creches municipais de Correia Pinto.

Resumo:

O Projeto de Saúde Bucal em pré-escolares das creches municipais de Correia Pinto, SC, tem como objetivo promover saúde bucal, por meio de ações educativo-preventivas coletivas. Surgiu após levantamento epidemiológico em saúde bucal realizado em 2007 para conhecer a prevalência e severidade da cárie dentária, cárie precoce e as necessidades de tratamento nessa população. Os resultados encontrados mostraram uma concentração de altos índices da doença cárie e de grande necessidade de tratamento e prevenção das doenças bucais. Diante desta realidade, justificou-se a implantação deste programa com a realização de ações educativo-preventivas de saúde desenvolvidas por acadêmicos de odontologia. Tem ainda o objetivo de proporcionar uma melhoria nas condições de saúde bucal dos pré-escolares institucionalizados, promovendo modificações no comportamento e nas práticas em saúde bucal dos pré-escolares institucionalizados, promovendo modificações no comportamento e nas práticas em saúde bucal da população estudada, impactando, assim, sua qualidade de vida. As seis creches municipais de Correia Pinto atendidas pelo programa apresentam atualmente 310 crianças matriculadas de zero a quatro anos de idade que semanalmente recebem supervisão de higienização oral e atividades educativas, com o objetivo de condicionar e motivar as crianças para o hábito. O programa é novo, e muitos os caminhos ainda serão trilhados, mas a esperança de que estar preparando um futuro sorridente motiva as ações.